Domingo, 25 de agosto de 2019 FALE-CONOSCO ANUNCIE AQUI
Justiça
Outro denunciante da Operação Machadada revela bastidores dessa trama
Notícias > Justiça > Outro denunciante da Operação Machadada revela bastidores dessa trama
Portalozk.com 03 de julho de 2015 às 07h50
Compartilhe essa notícia Whatsapp
Atualizado em 07 de julho de 2015 às 11h41

O depoimento que foi filmado pelo Portalozk.com do senhor Arlindo Ribeiro da Conceição Junior, ficou muito extenso, portanto, não conseguimos realizar a edição do mesmo e publicá-lo a tempo, ficando este portal de notícias devedor da exposição deste material. 

Entretanto, o depoimento do senhor Arlindo Júnior que foi entregue ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro na tarde de 02/07/2015, obtido com exclusividade pelo Portalozk.com , segue abaixo:

"São João da Barra, 02 de Julho de 2015. 

Eu Arlindo Ribeiro da Conceição Junior, documento de identidade nº 09729738-6 IFP, CPF nº 030.533.597-90, nascido no dia 11/03/1975 em Taubaté - SP, filho de Arlindo Ribeiro da Conceição e Leonidia Quintino, residente na Avenida Rotary, 1100, São João da Barra.

Venho por meio desta, no intuito de me redimir e mostrar a realidade dos fatos ocorridos no pleito de 2012, onde fui contratado como fornecedor de equipamentos de gravações dissimuladas, verifiquei o quão grande é a ganancia de seres humanos em período eleitoral, não visando a vida do próximo, por este motivo venho expor fatos presenciados por mim e até mesmo comprova-los, mostrando os verdadeiros culpados naquela época.

Em primeiro vou expor as contrapartidas existentes em meu depoimento na polícia federal na data de 06 de setembro de 2012, vamos por itens:

01-  A verdade e que onde diz que o sr Zezinho camarão me procurou na semana anterior ao dia 06/09/2012 está errado, pois o mesmo me procurou meses antes para propor o fornecimento e acompanhamento das gravações, para instruir as pessoas que o mesmo iria recrutar para realizar gravações de candidatos adversários a coligação do mesmo, para assim ter chance de vencerem o pleito, o acordo foi fechado na quantia de 5.000 mensais, que era repassado pelo mesmo na casa dele.

02-  Anteriormente a gravação exposta no depoimento, já havia sido feita uma gravação com o senhor Alex firme onde não obteve resultado para caracterizar crime eleitoral, e anterior a esta gravação também teve uma gravação com a senhora Soninha pereira, candidata a época, que não foram colocadas no processo

03-  Alguns dados referentes ao senhor Fernando, foi passado pelo sr camarão para que o depoimento não ficasse pequeno demais e dessa mais ênfase, tendo em vista que não conheço o sr Fernando, muito menos seus negócios na região, mas devido o vereador ter dividas com o mesmo inclui estes fatos no meu depoimento para que o nome dele não fosse vinculado.

04-  Diz ainda que por iniciativa de Jacson e orientação de camarão e que foi decidido emprestar os equipamentos, a verdade e que Jacson e rodrigo rocha foram recrutados por camarão, recebendo gordas quantias para realizarem as gravações dos candidatos inclusos nos processos

05-  Onde diz que Alex firme solicitou que o candidato Jacson desistisse do apoio a Betinho, para compor o grupo dele, também não procede, na gravação anterior, Jacson a todo momento se oferece a deixar o lado que se encontra para apoia o grupo do então candidato Alex firme, isto tudo instruído por camarão e por Betinho Dauaire.

06-  No depoimento eu afirmo que eu cedi o equipamento a pedido de camarão para gravar a Prefeita Carla Machado, mas na verdade o equipamento usado era de propriedade da Polícia federal e me foi entregue pelo Delegado federal Paulo Cassiano, equipamento identificado pelos seguintes dados, GTS, TYPE DAR, REF 040, SN 2293 e que foi utilizado dentro da cueca de Jacson, este mesmo equipamento, por várias vezes ficou à disposição de Camarão, Jacson e Rodrigo Rocha.

Pois bem, acima, consta fatos x depoimento, agora irei relatar o passo a passo de como tudo começou:

No período do mês de julho após ter apresentado um vídeo referente a prefeita Carla Machado e documentos relacionados a um empreiteiro da região, a Luiz Fernando, um conhecido Radialista da localidade de grussai, ele junto com seu irmão Winster Brito me levaram até Betinho Dauaire na casa dele em grussai. Ao chegar lá, apresentei o vídeo a ele que demostrou inicialmente pouco interesse, mas dizendo sempre que deveria procurar a Polícia Federal, que não tinha acesso, mas que poderia indicar alguém que conhecia.  Após esta conversa, me retirei e fui para casa, foi quando alguns dias depois, fui procurado por Zezinho Camarão, que era vereador e candidato na época, Max Henriques e Jean Azevedo, proprietário da Winner empreendimentos que presta serviço para a prefeitura de Campos dos Goytacazes e São Francisco. Camarão me convidou para ir a uma casa nos fundos do balneário de atafona, ao chegarmos lá, aproximou outro veículo e desceram duas pessoas, que no interior da casa fiquei sabendo ser o Delegado Paulo Cassiano Junior e outro Agente que não me recordo o nome. Foi apresentado por camarão a eles uns documentos relacionados a um processo do Saibro que tinha uma CPI aberta no município, e outros documentos referentes a licitações que foram apresentados por mim. O processo do saibro foi descartado pelo Delegado, mas mostrou interesse nos documentos licitatórios, por caracterizar cartel no município, feito isto, nós retiramos do recinto e fui para minha casa. Passou-se mais uns dias, o vereador Camarão me procurou dizendo que Betinho queria convidar um rapaz de nome Samuel, que em eleições anteriores, já havia sido usado como meio de ataque político a então Prefeita Carla, que tanto ele como Betinho, já haviam procurado e não conseguiram fazer com que ele aceitasse ir até a rádio Diário dar o depoimento esperado por Garotinho. Sendo Samuel um conhecido meu, falei com ele, o mesmo disse que iria mediante pagamento e foi passada esta informação para o então vereador Camarão. Após isso o empresário Jean Azevedo, juntamente com Werneck, (amigo de Jean) se prontificaram de nos levar até Garotinho, o que ocorreu na data de 13/07/2012, chegamos na casa do mesmo por volta das 20:00 h. Subimos até o segundo andar e fomo para uma sala com um grande espelho na parede e uma mesa de vidro, onde conversamos. Foi perguntado a Samuel, detalhes do assunto que ele queria para apresentar na rádio no dia seguinte e Werneck junto com Jean, tocaram no assunto de dinheiro. Garotinho apertando a minha mão disse que ele tinha 54 anos, dos quais 30 de política e disse que ele nunca abandonava um dos seus e assim ficou acertado.

 Mais tarde no mesmo dia, foi informado por Jean que seria pago a quantia de 65 mil a Samuel e que era para ele comparecer à Rádio o Diário, no dia 14/07/2012. Juntamente com Samuel, nos dirigimos para a rádio em Campos, onde já se encontravam o empresário Jean Azevedo e o Sr. Werneck. Durante a entrevista chegou Betinho Dauaire na Rádio e o Samuel foi entrevistado por Garotinho. Fui também entrevistado sobre um vídeo que eu tinha e sobre denúncias nas licitações de São Joao da Barra. Após esta entrevista teve um embate político no município e após estas declarações o Vereador Camarão me procurou, perguntando se havia a possibilidade de enquadrar a prefeita Carla Machado e o grupo dela em crimes políticos. Disse que sim, mas que para isso precisaria haver crime, foi quando camarão disse que Carla provavelmente iria procurar Samuel. A prefeita havia dado uma entrevista em uma rádio incriminando Samuel e visando fazer um acordo para não processa-la em troca de dinheiro. Jean Azevedo, através de seu advogado que tinha um escritório em frente ao escritório da advogada da prefeita, (drª Priscilla Marins), entrou em contato com a mesma e lhe foi passado que o Samuel Iria acionar a prefeita na justiça. Um certo dia Camarão levou a mim e a Samuel até o jardim são benedito, onde nos encontramos com o delegado Paulo Cassiano. Camarão lhe passou a situação sobre esta gravação e que poderia haver uma possível negociação para comprar o silencio de Samuel, e que no período em que se encontrava, seria crime eleitoral. Foi marcado então o encontro de Samuel e a advogada Priscilla, mas a mesma não compareceu, indo em seu lugar um auxiliar dela, não havendo negociação nenhuma, pois foi exigido por Samuel a presença da então prefeita Carla, que pelo que consta não aceitou a negociação, e Samuel perdeu a chance de gravá-la. Em um comício no Bairro de Fatima, eu estava junto do sr Jean Azevedo e Werneck, quando se aproximou de nós o Samuel e perguntou para mim o que eu tinha feito com o dinheiro que havia recebido. Fiquei surpreso com a pergunta, disse-lhe que não havia recebido dinheiro algum, e então ele disse que o irmão do candidato a vereador Kaká, o Marcelo havia lhe entregue 20 mil reais e que daria a ele o restante até a eleição.

Continuamos na campanha política, foi quando Camarão me chamou mais uma vez e perguntou-me que se algum candidato se oferecesse ao grupo da Prefeita alegando insatisfação e se conseguisse gravar alguma coisa caracterizaria crime político? Aí falei que não sabia, então me pediu para eu alugar o meu equipamento de gravação dissimulada, fizesse a coleta dos materiais o que cobrei a quantia de 5000 reais mensais. Após isso, Camarão chamou o candidato Jacson, e instruindo ele para que de maneira dissimulada e mostrando insatisfação com o grupo, chegasse perto dos candidatos da coligação de Carla Machado que ele escolhia.

O primeiro alvo a ser gravado, foi a candidata Soninha Pereira, mas apesar da insistência de Jacson, não aceitou o apoio político do mesmo, então esta gravação foi arquivada. Depois Camarão chamou Jacson e disse-lhe que deveria ser mais chorão, mostrar maior insatisfação com o grupo e apresentar necessidade financeira e que poderia ser de suma importância para o grupo contrário, assim foi feito, Jacson procurou através de amigos em comum, contatar o candidato Alex Firme, o que aconteceu no dia 21/08/2012. Houve o encontro dos dois na rua da caixa d’água, mas novamente não teve êxito, mas este por ser um forte candidato e que prejudicaria nas urnas o candidato KAKÁ e Camarão, foi solicitado a Jacson que insistisse com ele. Foi então que Jacson procurou o sr Fernando do açougue e este por gostar de Jacson chamou Alex até o açougue para conversar com ele, fato este que ocorreu no dia 24/08/2012, esta foi a primeira gravação que prestou para ser iniciada a operação machadada. Não estava gostando do caminho que estava seguindo esta situação, mas tinha um compromisso firmado e não poderia voltar atrás, mas me sentia mal com o que estava ocorrendo, pois, estas pessoas eram conhecidas minhas, mas segui fornecendo os equipamentos e coletando as informações dos mesmos. Quando Jacson chegou a casa de Camarão com esta última gravação de Alex firme, o mesmo ligou para o então vereador Kaká e juntos fomos assistir ao vídeo. Camarão e Kaká ficaram eufóricos com a possibilidade de cassarem Alex firme, que de acordo com eles, era uma pedra no sapato. No dia seguinte, Junto com camarão, não lembro exatamente a data, nos dirigimos até a Delegacia da Polícia Federal em Campos dos Goytacazes, onde conversamos com o delegado Paulo Cassiano e lhe foi mostrado o vídeo de Alex Firme. O Delegado solicitou que continuássemos atentos, deixamos a delegacia e nos dirigimos a São João da Barra sem ter feito nenhum depoimento. Quando chegamos, Jacson nos passou que durante um enterro na localidade, o mesmo havia sido abordado por Alex firme que o questionou sobre a possibilidade de ter sido gravado por ele, e que ele negou ter feito tal coisa, diante desse novo acontecimento, Camarão se sentiu na obrigação de recrutar outro candidato para se oferecer ao grupo contrário, foi quando chamou Rodrigo Rocha. Por não ter confiança no mesmo, Camarão gravou a primeira conversa entre os dois, fato este ocorrido em 13/09/2012, onde de pede a Rodrigo Rocha para gravar o candidato a vice-prefeito, o vereador Alexandre Rosa.

Então Camarão nos comunicou que Betinho lhe havia dito que teríamos uma reunião com o Delegado Paulo Cassiano em uma sala no prédio Mauricio Zahuri em Campos dos Goytacazes para dizermos como estava o andamento das “investigações”. Nos dirigimos até lá para encontrá-lo, foi passado as informações pertinentes ao que ocorria no município e que agora teríamos mais um candidato que “estava” sendo assediado, então foi orientado pelo Delegado Paulo Cassiano, para que Rodrigo Rocha marcasse o encontro com Alexandre Rosa.

Por várias vezes Rodrigo Rocha tentou contato com o Vereador Alexandre Rosa sem êxito, até que um dia, durante uma reunião de Alexandre na localidade do Carrapicho, o ex sogro de Rodrigo Rocha, conseguiu marcar um encontro entre eles. No dia do encontro ficamos eu e Camarão monitorando os arredores da casa de Rodrigo Rocha e após a saída de Alexandre Rosa e Renato Timóteo da casa dele, eu e Camarão entramos para saber como havia ocorrido o encontro e pegar o relógio espião com ele. Quando chegamos no interior da residência, encontramos Rodrigo Rocha com o Delegado Paulo Cassiano e outro Delegado, que haviam acompanhado toda a conversa de dentro de um quarto ao lado da sala. Reunidos na cozinha da casa de Rodrigo Rocha, o Delegado Paulo Cassiano dizia que prenderia Alexandre Rosa naquele momento, o que foi questionado pelo outro Delegado Presente, que dizia que não prenderia, que acredito eu, devido a algum tramite legal. Então Camarão falou que se ocorresse isso naquele momento não seria possível chegar até a prefeita, então foi decidido aguardar outras gravações.

Mais uma vez Jacson foi chamado por Camarão para gravar a Prefeita e quando estávamos cientes que Jacson tentava conseguir esse acesso a ela, eu e Camarão fomos a Campos para conversar com o Delegado, e ele nos cedeu para gravar a prefeita um dos equipamentos dele, um gravador com captação de áudio bidirecional, que ficou sob minha responsabilidade.

Jacson fez várias tentativas com o sr Fernando para que o mesmo o levasse até ela, mas não conseguiu. Então ele procurou o primo dele, Eleilton que era Sub-secretário de Pesca, para que fizesse a ponte entre ele e a prefeita, até que um dia, quando também a pedido de Camarão, Jacson que estava tentando gravar o candidato Ronaldo da Saúde, recebeu a ligação de Eleilton dizendo que a Prefeita iria recebe-lo e Jacson então foi para a casa da Prefeita, onde ele a gravou com o gravador do Delegado Paulo Cassiano dentro da sua cueca. Após isso, recebi de Camarão esse equipamento e que eu entreguei nas mãos do Delegado Federal Marco Aurélio no portão da garagem da Delegacia da Policia Federal. Passaram alguns dias e no dia 06/09/2012, o Delegado Paulo Cassiano me ligou e pediu que fossemos a Delegacia e quando lá chegamos, parei o meu carro em frente ao posto de gasolina e liguei para ele dizendo que já estávamos lá, foi quando ele me pediu que o aguardássemos que ele iria ao nosso encontro. Trouxe para mim, Jacson, Camarão e Rodrigo Rocha os nossos depoimentos para que assinássemos ali mesmo, dentro do carro onde estávamos e após isso, retornamos a São João da Barra. Aguardávamos os resultados das denúncias que haviam sido feitas sobre o suposto assédio a Jacson e a Rodrigo, para o crime de cooptação de Candidatos tão bem planejado por Camarão. Passou-se um período, e estava eu e Jacson conversando dentro do meu carro em frente à casa da mãe dele em atafona, quando o carro de Betinho parou ao lado no meu e desceram Betinho e Camarão e entraram na parte de trás do carro. Camarão disse que precisava gravar o vereador Elísio Motos e precisava que Jacson fizesse isso. Jacson a princípio não queria mais gravar ninguém e respondeu que considerava o Elísio muita gente boa. Camarão respondeu-lhe que ele havia abandonado o grupo e que este merecia ser gravado e Jacson disse que já havia gravado a prefeita e que não queria fazer mais isso. Betinho Dauaire que estava quieto até então, falou que o combinado deles seria a secretaria de pesca e o pagamento em dinheiro estava de pé, pois esta gravação por ser importante, teria um valor além do que havia sido combinado anteriormente. Para mim aquilo foi surpresa, pois Betinho apesar de estar por trás de tudo, nunca havia se exposto para mim desta maneira como ocorreu nesse dia que eu estava junto com Jacson. Somente algumas vezes na casa de Camarão, dando a entender que estava ciente de tudo que ocorria, batia em meu peito e me perguntava baixinho como estava o andamento das coisas e quando seria o prazo da prisão da Prefeita, mas assim sem rodeios, foi a primeira vez. Jacson depois de muita insistência acabou aceitando, foi onde Camarão disse que Elísio se encontrava naquele momento, em uma barbearia na localidade de Barcelos. Camarão pegou o telefone e ligou para Renato que era cabo eleitoral dele e proprietário da barbearia e pediu que ele enrolasse Elizio o máximo que pudesse. Foi quando Betinho me pediu para que eu levasse Jacson ao encontro de Elísio em Barcelos. Fui a minha casa trocar de carro e para pegar o gravador fornecido pelo Delegado da Policia Federal Paulo Cassiano, e chegando em Barcelos, deixei Jacson em uma esquina lateral a barbearia. Jacson, fingindo que estava passando pelo local, entrou na barbearia onde se mostrou estar surpreso ao encontrar Elizio e começou a puxar conversa sobre política com Elísio já que o conhecia.  Após sair da barbearia, Jacson acompanhou Elísio até o carro dele e acabou conseguindo encompridar a conversa dentro do carro de Elizio e assim foi realizada a gravação de Elísio Motos que tanto Betinho e Camarão queriam, que eu entendi depois, ser importante pois configurou crime de quadrilha. Havia a necessidade de se comprovar a continuidade do crime cooptação para caracterizar o fragrante, foi solicitado por Camarão a Jacson que mais uma vez gravasse Elísio, o que acabou ocorrendo no dia 01/10/2012 quando por acaso Jacson o encontrou no Banco do Brasil e marcou o encontro em frente à prefeitura, após ter me pedido o Relógio espião de minha propriedade. No dia 02/10/2012, passamos em uma casa em Atafona onde estavam vários delegados e de lá saímos com instrução de monitorarmos os passos da Prefeita. Na esquina da casa da dela, ficou, Chamego (Irmão de Camarão) e Rodolfo (amigo de Camarão), na casa de Alexandre ficaram de campana mais dois correligionários de Camarão, e eu fiquei com a incumbência de observar a casa de Renato Timóteo durante toda a tarde. Na noite do dia 02/10/2012, a pedido do Delegado Paulo Cassiano, me dirigi a um comício em grussai, ficando de prontidão para avisa-lo assim que a prefeita chegasse ao comício. Assim que ela chegou, liguei para o delegado, para que os mesmos pudessem se deslocar até o local, assim que chegaram, me encontrei com eles e fui com dois outros delegados (que não sei o nome) para a frente do palanque, para mostrar os Candidatos que seriam presos. Um dos correligionários da prefeita, de nome Guto, me perguntou o que estava fazendo ali, disse-lhe que estava assistindo a vitória deles e após isso me retirei do local, indo para meu veículo. Logo após, o Delegado Paulo Cassiano foi até mim, dizendo a que a advogada de Carla estava no local e se dirigia na direção do delegado Duarte, que entrando dentro da viatura descaracterizada saiu do loca. Então me foi solicitado que levasse dois delegados até a casa do vereador Alex Firme e ao deixar os dois lá, me dirigi novamente a grussai, foi quando recebi a ligação de Paulo Cassiano, dizendo que a prefeita tinha se evadido do loca e que ele estava atrás dela. Logo após, me ligou avisando que a Prefeita Carla havia sido presa quando tentava entrar na Pousada Mediterrâneo em Atafona. Relatou-me também que Alexandre e os demais haviam empreendido fuga e por eu conhecer a cidade, levei-os até a casa de Alexandre Rosa onde constatamos que o mesmo não se encontrava. Me dirigi até a casa de Neco, candidato a prefeito e quando cheguei lá constatei que o veículo Meriva de Alexandre estava em frente da casa, retornei até os delegados para guia-los até a residência onde se encontrava Alexandre Rosa. Nessa ocasião foi muito questionado em conversa sobre como prender Alexandre já que o horário era improprio e acredito que eles não tinham o mandado de prisão, foi quando o Delegado Duarte decidiu bater no portão e quando este foi aberto, Alexandre se encontrava na varanda e recebeu voz de prisão. Após as prisões da Prefeita Carla Machado e do Vereador Alexandre Rosa terem sido concretizadas, fui para a Delegacia da Policia Federal as 2:30h em companhia de Rodrigo Rocha, Jacson, Leleu do churrasquinho e Lilico da verdura. Enquanto isso, o Vereador Camarão foi para a casa de Betinho Dauaire para comemorar a prisão da Prefeita Carla Machado e de Alexandre Rosa e quando eu estava na Delegacia, recebi uma ligação de Betinho Dauaire para saber como estava o andamento das coisas, e lhe informei que Carla e Alexandre iriam sair sob fiança e ele mandou eu perguntar aos Delegados se não havia a possibilidade de deixá-los em prisão temporária, mas de acordo com o delegado Paulo Cassiano, se desse prisão temporária, eles poderiam sair com um habeas corpus e chegariam em São João da Barra como mártires. Segundo o Delegado Paulo Cassiano, eles pagando a fiança eles assumiriam o crime e poderiam ser cassados em caso de vitória na eleição. As 07:30h deixamos a Delegacia da Polícia Federal e nos dirigimos para a casa de Camarão, que não se encontrava e que nos informaram que ele havia ido para a casa de Garotinho e não havia chegado. Fiquei sabendo por Jacson e Rodrigo que eles estiveram no edifício Sunset em Campos e receberam um dinheiro para a boca de urna, onde Jacson me confidenciou ter recebido 27 mil reais e Rodrigo 32 mil reais. Eu recebi o total de 15 mil reais equivalente aos 3 meses de trabalho prestados pelo serviço de locação dos equipamentos de gravação dissimulada. Após a eleição onde fomos derrotados apesar de todo o escândalo que a operação machadada provocou, Betinho Dauaire com receio que abríssemos a boca e falássemos alguma coisa que pudesse comprometer as ações que o Partido da Republica ingressou contra a eleição de Neco, pediu a Camarão que nos tirasse de São João da Barra. Foi então que viajamos, eu, Rodrigo, Jacson, Camarão junto as nossas famílias e ficamos por quase 3 meses fora da cidade. Primeiro fomos para Timóteo em Minas Gerais, depois Coronel Fabriciano, voltamos para Timóteo, depois nos dirigimos para Higienópolis, e por fim, fomos para Serra no Espirito Santo. Todas as despesas com hotéis e casas de luxo que nos hospedamos e a ajuda de custo de 1500 reais que recebíamos para gastarmos com as pequenas despesas que tínhamos com as nossas famílias eram pagas por Betinho Dauaire através de Camarão que fechava as contas nos hotéis, pagava os alugueis das casas.  Na cidade de Serra inclusive ficamos em uma casa padrão superluxo, onde o aluguel mensal girava em torno de 9 mil reais. Durante esse período de quase 3 meses que estávamos viajando, viemos algumas vezes a São João da Barra para resolvermos assuntos particulares e estivemos no prédio do advogado de Betinho Dauaire para que Jacson assinasse um documento de que havia pego material de campanha no edifício Sunset, já que eles haviam sido denunciados pelo Grupo Político adversário. Essa gravação mostrou muitos candidatos do nosso grupo Político descendo ao elevador com Bolsas e pacotes nas mãos. Cheguei junto com Jacson no prédio, quando o Vereador Franquis Arêas ao Telefone pediu o encontrarmos no posto de gasolina na entrada de São João da Barra, onde Jacson assinou esse documento. Já cansados de tantas viagens, com os ânimos exaltados, Camarão e Jacson tiveram um atrito e Jacson nervoso com a situação pediu que eu o trouxesse de volta para São João da Barra, falando que iria contar toda a verdade, quando no caminho de volta, recebi uma ligação de Betinho Dauaire e que já sabendo de tudo, pediu para irmos almoçar com ele no restaurante na 15 de novembro em Campos dos Goytacazes. Ao chegarmos lá, Jacson mostrou sua insatisfação com Camarão, assim como eu também mostrei, Betinho pedia que tivéssemos calma, que iria ser julgado o processo da Machadada e que ele iria assumir a prefeitura. O vereador Gersinho Crispim, a pedido de Camarão no dia 28/12/2012 nos deu um cheque de 7mil reais para ser dividido entre nós quatro, pois estávamos sem trabalhar e precisávamos de algum dinheiro para arcar com algumas despesas nossas já que se aproximava a primeira audiência. Passou-se um tempo, eu Jacson e Rodrigo Rocha encontramos com o Prefeito neco em campos e lhe contamos a verdade e ele nos solicitou para irmos ao Rio para conversar com o advogado dele, o que fizemos. Neco se negou a conversar com Camarão e ele zangado por isso telefonou para alguém ligado a Betinho e falou que queríamos confessar tudo que aconteceu. Betinho Dauaire Preocupado se reuniu com a gente e pediu para não fazermos isso e que ele nos daria 3 mil reais todo mês, o que ele fez por mais de um ano e que todo final de mês, o vereador Franquis áreas dava a cada um de nos.  

Com esse caso voltando a tona e impactando diretamente e negativamente no meu convívio amistoso e respeitoso com as pessoas da cidade, mesmo eu não tendo gravado ninguém, me senti na obrigação de revelar a verdade que presenciei trabalhando, nos bastidores da operação machadada, afim de acabar de uma vez por todas com as mentiras que foram e que alguns ainda insistem de propagar. Nos últimos dias tenho recebido ligações telefônicas de pessoas que há muito tempo não falavam comigo, que prefiro não revelar os nomes, criticando a atitude tomada por Jacson Meireles e tentando me intimidar para que eu não fale a verdade. Mas é decisão minha e tenho certeza ser o melhor caminho, esperando com isso, que essas pessoas não toquem mais nesse assunto comigo. Deixo desde já autorizado a quebra do meu sigilo telefônico e do meu e-mail para tudo que falei seja comprovado.

Então, por sentir-me sujo em ter participado mesmo que de forma profissional nesta trama, venho através destas declarações, tentar alcançar o perdão dos que foram afetados por esta armação e assim permitir que sua imagem possa ser restabelecida assim como a honra dos mesmos, manchadas injustamente pela ganancia do ser humano, esta mesma declaração, informo que será entregue ao Exmo. Senhor juiz, da 37 zona eleitoral, ao ministério Público federal, a Corregedoria da Policia Federal e uma cópia a todos os envolvidos na Operação Machadada, Inclusive a Ex Prefeita Carla Machado.

Sem mais nada a declarar e ciente que todas as informações aqui contida condiz com a realidade dos fatos, me disponho desde já aos tramites legais para expor verbalmente como testemunha os fatos aqui expostos", Arlindo Ribeiro da Conceição Junior - CPF XXX.XXX.597-90.

Mais notícias
É proibido o uso ou publicação deste conteúdo sem a devida autorização. Os infratores ficarão sujeitos a penas previstas por lei. O Portal OZK não envia mensagens de e-mail sobre promoções, notícias ou novidades. Portal OZK - 2015 - 2018 Todos direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Desenvolvido por Jean Moraes