Domingo, 17 de janeiro de 2021 FALE-CONOSCO ANUNCIE AQUI
Polícia
Advogada é presa por injúria racial, lesão corporal e homofobia contra funcionários e clientes de padaria
Imagem que circula nas redes sociais mostra mulher ofendendo funcionária da padaria Dona Deôla e agredindo cliente na Zona Oeste de São Paulo, na última sexta (20), Dia da Consciência Negra. Agressora foi solta para cumprir prisão domiciliar. Ela disse que foi provocada e pediu desculpas. Estabelecimento lamentou episódio.
Notícias > Polícia > Advogada é presa por injúria racial, lesão corporal e homofobia contra funcionários e clientes de padaria
Thamiris Moreira / Portalozk.com 23 de novembro de 2020 às 09h42
Compartilhe essa notícia Whatsapp

Uma advogada foi presa em flagrante pela Polícia Militar (PM), na última sexta-feira (20), por injúria racial, lesão corporal e homofobia contra funcionários e clientes de uma padaria na Zona Oeste de São Paulo. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra Lidiane Brandão Biezok, de 45 anos, ofendendo uma funcionária do estabelecimento comercial e agredindo um dos clientes (veja acima).

O caso ocorreu no Dia da Consciência Negra numa unidade da Dona Deôla, que lamentou o episódio em sua página no Instagram e classificou o ato como "repugnante" (veja abaixo a íntegra do comunicado). A Polícia Civil investiga o caso depois que duas vítimas registraram boletim de ocorrência contra a agressora no 91º Distrito Policial (DP), Ceasa.

Procurada neste domingo (22) pela reportagem, a advogada Lidiane se defendeu, alegando que foi provocada por dois clientes quando estava comendo um sanduíche. Disse que reagiu, admitindo que se excedeu e usou inclusive termos homofóbicos contra eles. A mulher ainda afirmou que não tem nada contra gays. E negou que tenha utilizado termos racistas contra as pessoas da padaria.

"Eu não tive a mínima intenção em ofender ninguém. Eu me senti acuada, me senti uma vitima ali de uma situação que eu não tinha como sair. Fui agressiva e estúpida mas não tenho nada contra homossexuais. Peço desculpas", falou a advogada.

A reportagem não encontrou as vítimas para falar do assunto.

Boletim de ocorrência
De acordo com o registro, as vítimas de Lidiane são dois artistas de 24 anos. Os jovens relataram que foram jantar na Dona Deôla e que começaram a filmar a mulher depois que, segundo eles, ela passou a ofender uma garçonete e um funcionário "em razão de um problema com a comida".

Os rapazes disseram que ainda chamaram a atenção dela, dizendo que ela "não tinha o direito de ofender" os funcionários. Em seguida, relatam, Lidiane passou a ofendê-los, os chamando de "veados", que "odeia veados" e que os "gays seriam o mal do mundo e que seriam todos aidéticos e que só serviam para passar doenças".

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, a advogada ofendeu um dos rapazes por causa da cor da sua pele. Segundo o registro, a vítima é parda e a mulher é branca. O amigo dele também aparece como branco no documento.

Dois funcionários da padaria foram ouvidos como testemunhas na delegacia e confirmaram que "presenciaram as ofensas raciais e homofóbicas, o discurso discriminatório em razão da sexualidade das vítimas e as agressões praticadas" por Lidiane contra um dos clientes.

Vídeo
“Ela já agrediu, ela já desmoralizou. Ela já foi racista, já foi transfóbica, já foi homofóbica, e ela ainda consegue entrar dentro do estabelecimento”, critica um rapaz no vídeo, que foi postado na página do Portal Arrasa, que trata sobre diversidade. A imagem foi compartilhada depois em diversos grupos de WhatsApp.
Na filmagem, a mulher humilha uma funcionária dizendo que “você ainda trabalha na Dona Deôla. Você não é a rainha da Inglaterra”.

Em seguida, um rapaz rebate e fala: “Ela não está aqui para te servir, amore. Ela não vai te servir”.

Em outro momento do vídeo, Lidiane xinga alguns clientes com palavras homofóbicas:

“Você sabe que dar o c* dá um problema seríssimo...”, diz a advogada, que fala mais palavrões para um cliente. "Tenta me bater, tenta... B* no c*.”

Em seguida, a mulher passa a bater num dos clientes com tapas e socos:

“Eu não tô falando mais de p* nenhuma. Então aqui é uma padaria gay?. Eu não tô falando p* nenhuma. Seu f* da p* (depois mulher agride rapaz). Você quer me atacar seu f* da p* (e dá tapas).”

O que diz a padaria
Numa nota divulgada na sua rede social, a Dona Deôla se posicionou confirmando que funcionários e clientes foram vítimas da mulher, que fez ofensas racistas, homofóbicas e transfóbicas:

"Lamentavelmente, na noite de ontem [sexta-feira, 20 de novembro], funcionários e clientes da nossa padaria na Pompeia foram alvo de ofensas racistas, homofóbicas e transfóbicas, que podem inclusive configurar crime. Por isso, seguindo a orientação que lhes foi dada, a nossa equipe acionou a polícia para que as providências fossem tomadas. A Dona Deôla se solidariza com as vítimas desse ato repugnante e se coloca à disposição para prestar toda a assistência necessária. Reiteramos o nosso repúdio a qualquer tipo de discriminação e o nosso compromisso com a proteção e o bem estar de nossos funcionários e clientes", informa a nota que expira em 24 horas depois de publicada. *Tv Globo

Mais notícias
É proibido o uso ou publicação deste conteúdo sem a devida autorização. Os infratores ficarão sujeitos a penas previstas por lei. O Portal OZK não envia mensagens de e-mail sobre promoções, notícias ou novidades. Portal OZK - 2015 - 2018 Todos direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Desenvolvido por Jean Moraes