Terça-feira, 22 de outubro de 2019 FALE-CONOSCO ANUNCIE AQUI
Economia
Ícone do Rio, hotel que recebeu Pelé e Getúlio fechará as portas
Notícias > Economia > Ícone do Rio, hotel que recebeu Pelé e Getúlio fechará as portas
Portalozk.com 14 de março de 2019 às 10h24
Compartilhe essa notícia Whatsapp

De todas as pessoas ilustres que passaram pelo Hotel Novo Mundo, na esquina da Praia do Flamengo com a Rua Silveira Martins, Antonio Martins Loureiro, o chefe do bar, só não conheceu Getulio Vargas. Desde 1957 na casa, ele foi testemunha do seu auge, quando era ponto de encontro de políticos e também de jogadores de futebol (Pelé era habitué), e também de sua decadência. Resignado, seu Martins é hoje um dos 120 funcionários em aviso prévio por causa do encerramento, na próxima quarta-feira, das atividades do antigo quatro estrelas, revelada por Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO. Quando o último hóspede cruzar o belo hall do edifício eclético, uma parte da história do Rio Antigo também dará adeus.

Localizado estrategicamente na vizinhança do Palácio do Catete, sede maior do poder na época, e de frente para o mar (ainda não havia o Aterro), o hotel foi inaugurado em 1950 para receber delegações da Copa do Mundo. Eram os Anos Dourados, e o Rio a capital federal. Foi lá que Pelé, quando chegou da Copa da Suécia, em 1958, comemorou a taça Jules Rimet. Em 1969, também celebrou no Novo Mundo seu milésimo gol, no Maracanã. Uma placa dourada no hall homenageia o rei do futebol e lembra que, na ocasião do gol histórico, ele estava hospedado na casa.

— Fiquei com a Jules Rimet na mão — conta seu Martins, de 83 anos, que é português e chegou ao país com uma carta para trabalhar no hotel. — Servi políticos como Ademar de Barros, Tancredo Neves, Negrão de Lima, Carlos Lacerda, Mário Soares, Lula e Brizola. O hotel, no seu auge, nos anos 1960 e 70, vivia cheio. Uma orquestra tocava todas as noites, até as 3h, e eu só saía depois do último cliente. Naquela época, tinha até show de strip-tease.

Elegante, seu Martins prefere não contar histórias de bastidor dos famosos:

— De história picante, só o fim do hotel — desconversa.

Os funcionários foram avisados do fim das atividades no dia 3 deste mês e não sabem qual será o destino do endereço. Construído pelos imigrantes espanhóis Gumercindo José e Vitor Fernandes, o Novo Mundo foi vendido pela família Cosac (que fez fortuna no ramo da mineração). O motivo seriam dívidas. Hoje as diárias vão de pouco mais de R$ 200 a cerca de R$ 500 (para as suítes executivas, com vista para o mar), valores considerados baixos.

Alfredo Lopes, presidente da Associação Brasileira de Hotéis do Rio de Janeiro, diz que circula a informação de que o prédio de 12 andares e 230 quartos passará por um retrofit e será transformado em residencial para locação.

— O Rio, para a Olimpíada, dobrou a sua capacidade hoteleira, mas não teve aumento de hóspedes. A isso se alia a crise financeira. Desde os Jogos, 13 hotéis fecharam as portas na cidade — afirma Lopes, lamentando o fato de o prédio não ser tombado.

Ao “RJTV”, da Rede Globo, a direção informou que o Novo Mundo não será mais um hotel a fechar no Rio e que ele passará por uma transição para novos investimentos. O que se sabe é que, a salvo está apenas o par de leões de bronze que “vigiam” a entrada. Os dois são tombados. Além das feras, o historiador e arquiteto Nireu Cavalcanti destaca o ecletismo do prédio:

— Ele tem elementos do art déco, mas já apontava para o modernismo.

Em clima de despedida, seu Martins não esconde o saudosismo:

— O Rio Antigo tinha mais charme. Mas são tempos que não voltam mais. Jornal O Globo

Mais notícias
É proibido o uso ou publicação deste conteúdo sem a devida autorização. Os infratores ficarão sujeitos a penas previstas por lei. O Portal OZK não envia mensagens de e-mail sobre promoções, notícias ou novidades. Portal OZK - 2015 - 2018 Todos direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Desenvolvido por Jean Moraes